complicações do diabetes

Entenda agora: Diabetes e suas complicações

Doença que afeta o metabolismo atinge mais de 11 milhões de brasileiros e causa uma morte a cada dez segundos em todo o mundo

complicações do diabetes

Certamente você ou já ouviu falar de alguém, é portador ou conhece alguém que tenha diabetes. Esta conhecida doença, e por vezes, até vista como comum entre as pessoas, na verdade necessita de uma atenção especial ao seu tratamento, pois se não controlada, pode causar até mesmo a morte.

O Diabetes é uma doença crônica, multifatorial e não transmissível. Ocorre quando o órgão pâncreas não produz insulina suficiente ou quando o corpo humano não consegue mais utilizar de maneira eficaz a insulina que produz.

A insulina é o hormônio que regula a glicose no sangue e é fundamental para manutenção do bem-estar do organismo, que precisa da energia dela para funcionar. Trata-se do medicamento mais eficaz para o controle da glicose no sangue.

A falta deste hormônio ou um defeito na sua ação resulta poderá resultar em complicações mais severas, como o acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia. Já as altas taxas de glicose podem levar a complicações no coração, nas artérias, nos olhos, nos rins e nos nervos. Em casos mais graves, o diabetes pode levar à morte.

 

Sinais da doença e como prevenir o Diabetes

sinais-do-diabetes

É preciso estar sempre atento a saúde, manifestações do corpo ou quaisquer sintomas que posam se manifestar, de modo que se possa diagnosticar doenças ou preveni-las. No caso do diabetes, os sinais mais comuns são a sede excessiva, a perda de peso, a fome exagerada, a vontade de urinar muitas vezes, a difícil cicatrização de feridas, a visão embaçada, o cansaço e infecções frequentes.

O diagnóstico laboratorial confirma ou exclui a doença e ele pode ser feito de três formas, sendo que em caso positivo, deve ser realizado novo exame para confirmar em outra ocasião. São considerados positivos os que apresentarem os seguintes resultados:

1) glicemia de jejum > 126 mg/dl (jejum de 8 horas)

2) glicemia casual (colhida em qualquer horário do dia, independente da última refeição realizada (> 200 mg/dl em paciente com sintomas característicos de diabetes.

3) glicemia > 200 mg/dl duas horas após sobrecarga oral de 75 gramas de glicose.

Alguns dos fatores de risco são a obesidade, o sedentarismo e o histórico familiar com casos da doença.

Como providências destaca-se mudanças no estilo de vida, especialmente com a inclusão de exercícios, cuidados com a alimentação e dieta, e até conciliar o uso de remédios, se for o caso. Essa prática de exercícios físicos e a alimentação equilibrada ajudam a evitar a diabetes tipo 2, que não tem cura.

Quando a diabetes não é tratada, aumenta o risco de o paciente ter um ataque cardíaco, ficar cego ou sofrer amputação de uma perna.


Os tipos de Diabetes

tipos-de-diabetes

Condições diversas podem levar ao diabetes, porém a grande maioria dos casos está dividida em dois grupos: Diabetes Tipo 1 e Tipo 2. A diferença entre os grupos está no motivo que desregula a glicose.

No Diabetes tipo 1, há uma falha na produção de insulina, o hormônio que coloca o açúcar para dentro das células. Já no tipo 2, responsável por até 90% dos casos da doença, primeiro o organismo não consegue lidar muito bem com a insulina produzida, um problema chamado resistência à insulina. Para compensar o açúcar sobrando, o pâncreas aumenta a secreção do hormônio, só que com o tempo esse trabalho dobrado não só prejudica o órgão, mas deixa de fazer efeito.

Além dos dois tipos, há ainda o diabetes gestacional, que se estabelecido, costuma ocorrer depois da 20ª semana de gravidez, podendo desaparecer ou não, após o término da gestação.

Complicações e riscos a vida

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) as complicações da diabetes são divididas em dois grupos, micro e macrovasculares.

As complicações microvasculares são àquelas que causam danos aos pequenos vasos sanguíneos, como as que acometem os olhos, rins e nervos. Já as macrovasculares incluem as doenças cardíacas e o fluxo insuficiente de sangue para as extremidades do corpo, principalmente pernas.

A doença cardiovascular é a principal causa de morte entre diabéticos. Para se compreender melhor, é preciso saber que os pacientes têm até quatro vezes mais chance de ter um enfarte quando comparados com quem não tem diabete. Ainda que os pacientes possam ser afetados pela perda de visão, problemas renais e amputação de membros, poucos se atentam à relação da doença com o desenvolvimento de problemas cardiovasculares, como enfarte e acidente vascular cerebral (AVC).

Consulte o médico especialista

No caso de ser portador da Diabetes é importante o acompanhamento com médico especialista. Somente este profissional saberá indicar de forma correta:

• a orientação nutricional adequada;
• como evitar complicações;
• como usar insulina ou outros medicamentos;
• como usar os aparelhos que medem a glicose (glicosímetros) e as canetas de insulina;
• fornecer orientações sobre atividade física;
• fornecer orientações de como proceder em situações de hipo e de hiperglicemia.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>