Tireoide o escudo do corpo humano

Seja em formato de escudo ou de borboleta, a verdade é que a Tireoide é uma glândula importante no organismo humano. Mas diante do COVID-19, qual a função da tireoide? Descubra nesta matéria especial que preparamos para você.

Ajuda diretamente no crescimento e desenvolvimento infantil e adolescente. Atua nos ciclos menstruais e na fertilidade. Além disso, influencia no peso, na memória, na concentração, no humor e em tantas outras emoções. Além destes superpoderes, seu formato lembra um escudo. Poderíamos chamá-la de super-herói, mas a conhecemos como tireoide, uma glândula muito importante para o organismo humano.

Prazer, eu sou a Tireoide, mas pode me chamar de Tiroide

Apesar da glândula ter sido desenhada pela primeira vez pelo artista e inventor italiano, Leonardo da Vinci, já no ano de 1500, o termo como conhecemos hoje, “tireoide”, só foi criado em 1656, pelo britânico Thomas Wharton. A palavra tem origem grega thyreós (escudo) + oidés (forma de), inspirada em seu formato semelhante à de um escudo. Nesta época, acreditava-se que sua função era meramente estética, para modelar o pescoço, pois a glândula encontra-se logo abaixo do Pomo de Adão, em frente à laringe.

Apenas a partir do século XIX foi que os pesquisadores passaram a entender e descobrir melhor todas as funções que a tireoide possui. Por exemplo, em 1909, o fisiologista alemão, Emil Theodor Kocher, conquistou o Prêmio Nobel de Medicina por causa de suas descobertas em relação à glândula.

Apesar de ser relativamente pequena, se comparada a outros órgãos do corpo humano, a tireoide é uma das maiores glândulas do organismo, pois pode alcançar até 25 gramas. Outra curiosidade é em relação à sua grafia. É comum nos depararmos com a palavra tiroide, ao invés de tireoide. Apesar das duas formas serem aceitas, a nomenclatura mais conhecida e difundida é, de fato, tireoide. 

Feitas as devidas apresentações, vamos falar sobre o seu funcionamento.

Como funciona a glândula superpoderosa?

Como dito anteriormente, ela é importante em diversos aspectos: em relação à fertilidade, controle do peso, emoções e memória. Assim, a glândula tireoide é responsável por garantir o equilíbrio do organismo e regular a função de órgãos essenciais como o coração, o cérebro, o fígado e os rins.

Mas como isto acontece? O seu funcionamento ocorre através de sinais enviados pelo cérebro à tireoide para a produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), responsáveis por regular a velocidade de todo o funcionamento do organismo. Entretanto, quando essa velocidade fica lenta ou rápida demais, surgem sintomas como cansaço, indisposição, stress, alteração de peso, entre outros. Em outras palavras, quando há uma disfunção da tireoide, ela pode liberar hormônios de forma insuficiente, conhecida como hipotireoidismo, ou em excesso, chamado de hipertiroidismo. Em ambos os casos, o volume da glândula aumenta, e é conhecido como bócio. Para isso, existem medicamentos que controlam essa velocidade e fazem com que o funcionamento da tireoide volte à normalidade.

É importante salientar que estas disfunções são fáceis de identificar e que podem ocorrer em qualquer faixa etária. Exames preventivos podem ser feitos com seu endocrinologista.

 

E agora, COVID-19? Minha glândula escudo vai me proteger?

Em relação ao COVID-19, muitas dúvidas surgem na mente dos pacientes com problemas na tireoide. Mas a boa notícia é que pessoas com hipotireoidismo ou hipertireoidismo, não fazem parte do grupo de risco para a infecção do COVID-19.

Os tratamentos realizados não devem ser alterados. Tanto as pessoas que sofrem de hipotireoidismo, quanto as com hipertireoidismo devem manter o tratamento, tomando os medicamentos indicados pelo médico anteriormente. Caso for preciso, busque atualizações e novas recomendações junto ao seu endocrinologista.

Caso o paciente perceba algum desconforto relacionado aos sintomas de disfunção na tireoide, somente nestes casos é que deve procurar o médico. As orientações do Ministério da Saúde à população geral devem ser seguidas também pelos pacientes com doenças de tireoide. Além disso, caso haja a necessidade de internação hospitalar por algum sintoma de COVID-19, o paciente deve informar à equipe do hospital sobre a sua condição: tratamento utilizado, nome e doses dos medicamentos em uso.

As recomendações em relação às cirurgias na tireoide obedecem aos critérios adotados às outras situações de enfermidade. Se for possível, adie. Quando o caso não for uma emergência, ou seja, não represente risco ao paciente, a orientação dos órgãos de saúde é postergar a cirurgia.

 

Câncer na tireoide

Nos casos de pacientes com câncer de tireoide existem duas situações distintas. Aqueles que já se submeteram à cirurgia e realizaram, ou não, um tratamento, mas que a doença não esteja ativa, estes não se encontram no grupo de risco da infecção COVID-19. Portanto, não necessitam de cuidados especiais, além daqueles indicados a toda população. Porém, pacientes com câncer de tireoide em estágio mais avançado, como por exemplo, metástases e que utilizam medicamentos específicos para o tratamento do câncer, estes sim são considerados de alto risco para o COVID-19. Isto pode ocorrer tanto pela gravidade da doença, quanto pelos efeitos dos medicamentos utilizados. Neste caso, é ainda mais importante que o paciente obedeça às orientações dos órgãos de saúde e mantenha o isolamento social, além de tomar todos os cuidados possíveis, como uso de máscara, lavar as mãos frequentemente e higienizar todos os produtos e objetos. Além disso, é fundamental que o paciente entre em contato com o seu médico para que obtenha orientações específicas.

Busque uma vida saudável

Neste momento, mais do que nunca, é fundamental manter uma rotina saudável. Isto inclui corpo e mente. Busque uma dieta equilibrada, com verduras e frutas. Faça exercícios físicos uma vez ao dia, nem que seja por 20 minutos, mesmo dentro de casa. Cuidar da saúde mental também é importante, portanto, medite, leia um livro e mantenha a calma. Sempre, em qualquer caso de dúvida, fale com seu endocrinologista para uma avaliação individualizada.

O diagnóstico de qualquer disfunção na tireoide é simples e fácil de detectar. Portanto, fique atento às alterações no seu organismo. Em relação ao COVID-19, independente da sua situação, siga as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde.