Sarcopenia e Diabetes: O perigo mora ao lado

Desconhecida para muitas pessoas, a sarcopenia, apesar do nome difícil, é uma condição comum. O termo vem do grego e significa Sarco “carne” e Penia “diminuição (perda)”. Em outras palavras, a sarcopenia é a perda de massa muscular (massa magra) no corpo e, consequentemente, perda de força e envelhecimento.  Ela afeta o equilíbrio, o “andar” (marcha) e a própria capacidade de realizar tarefas diárias, o que infelizmente reduz a qualidade de vida, principalmente na terceira idade.

Os dados da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia indicam que cerca de 15% dos brasileiros com 60 anos de idade possuem sarcopenia. Este número aumenta para quase 50% após os 80 anos.

Sarcopenia e diabetes: O ciclo sem fim

Mas, qual é a relação da perda de massa muscular (a sarcopenia) com diabetes? Simples: fatores como obesidade e a baixa massa muscular favorecem o surgimento de desordens metabólicas, como diabetes. Além disso, ela compartilha os mesmos fatores de risco, o que as aproxima ainda mais.

Apesar de não estarem bem claros todos os fatores envolvidos nesta relação, existem evidências científicas que apontam uma maior diminuição da massa magra em idosos com diabetes, quando comparados aos idosos sem essa perda de massa muscular. Este risco chega a 3 vezes mais nos indivíduos com diabetes. Pesquisas indicam também que a sarcopenia está presente em mais de 40% dos homens e mulheres obesos, sendo que este risco aumenta em 38% nos diabéticos.

A resistência insulínica, entre outros fatores, explica essa relação. A resistência insulínica e a disfunção no controle glicêmico favorecem o que os médicos chamam de doença microvascular muscular crônica. Por fim, a glicose elevada está diretamente relacionada com uma performance muscular ruim.

Podemos entender este processo da sarcopenia com o diabetes como uma espécie de ciclo vicioso, em que um fator leva ao outro: a baixa massa muscular pode levar à baixa disposição à prática de exercícios físicos, podendo, desta forma, elevar o risco de diabetes.

Principais causas da sarcopenia

Como dito anteriormente, o envelhecimento é um dos grandes fatores que contribuem para a sarcopenia. Aliado ao fator idade estão o sedentarismo, falta de exercícios físicos e, não surpreendentemente, os hábitos alimentares inadequados. Sim, é repetitivo, mas a prática regular de exercícios físicos, aliada à uma boa nutrição, são realmente a chave da longevidade e da qualidade de vida.   

Algumas das razões pelas quais a sarcopenia é mais comum e desenvolvida na terceira idade podem ser as alterações hormonais e fisiológicas comuns no processo de envelhecimento. Somadas a isto estão as dificuldades motoras adquiridas no decorrer do tempo, estilo de vida inadequado, limitações físicas e até mesmo problemas relacionados à depressão.

É importante compreender que o processo de redução de massa magra no organismo inicia-se naturalmente a partir dos 30 anos de idade, considerando uma pessoa saudável. A partir daí é normal ocorrer anualmente uma perda de massa muscular de 1% a 2%. Por isso, é fundamental aplicar medidas de prevenção como boa alimentação e prática de exercícios físicos para retardar este processo. Caso contrário, ao alcançar 80 anos de idade um idoso pode ter somente 50% de sua massa muscular.

Como identifico sinais de sarcopenia?

A sarcopenia é difícil de ser identificada, uma vez que demoramos para perceber a perda de massa magra. Entretanto, alguns sinais podem dar indicativos que estamos caminhando nessa direção. Por isto, preste atenção quando:

  • Perceber que atividades físicas realizadas com facilidade passam a ser mais difíceis de realizar. Entram neste ponto, ações cotidianas como subir escada, carregar peso, sacolas, malas, etc.
  • Notar certa dificuldade e até mesmo desequilíbrio ao percorrer locais com desníveis e buracos.
  • Sofrer quedas frequentes, que decorram lesões e fraturas.

Existe prevenção para a sarcopenia?

A associação entre excesso de gordura e déficit de massa muscular é chamada de obesidade sarcopênica e indica um cenário preocupante. Como falamos anteriormente, a fórmula mágica consiste na prática de exercícios físicos regulares e uma boa alimentação. Sem dúvida, esta é a forma mais eficaz de prevenção e até mesmo a maneira mais promissora para diminuir os efeitos da sarcopenia no corpo.

É importante destacar que a prática de exercícios físicos envolve atividades que promovam o aumento da força e resistência dos músculos. Assim, não é mistério que a musculação seja um bom exemplo de atividade física a ser realizada.

Considerando especificamente o caso da sarcopenia ao diabetes, o tratamento segue as mesmas orientações anteriores com a combinação de agentes anti-diabéticos que diminuam a resistência insulínica. Além da suplementação proteica, o uso de vitamina D e ômega 3 também possui algumas indicações, apesar de não haver um concesso sobre a utilização deles.

Em resumo, a prevenção da sarcopenia consiste na prática de exercícios físicos, principalmente de resistência, aliada a uma boa alimentação e ingestão de proteínas. Cigarro e álcool também devem ser evitados.

Quem pode me ajudar?

Devido à relação direta entre doenças endócrinas, como diabetes, e a sarcopenia, um médico endocrinologista é fundamental para fornecer as orientações necessárias que elevem a qualidade de vida do paciente.

Além disso, não existem evidências sobre a utilização de um medicamento específico que atue diretamente na sarcopenia. É um conjunto de fatores e condições que devem ser analisadas e tratadas conjuntamente, por isso, neste caso, um médico endocrinologista é o mais indicado.